terça-feira, 16 de agosto de 2016

CRONICA DE ALCOCHETE - POR JOSÉ LUÍS FIGUEIREDO

    
 A castiça praça de toiros, de Alcochete, voltou a ser palco, para um dos mais importantes e tradicionais concursos de ganadarias.
Foram a concurso, seis exemplares de imponente apresentação das divisas Canas Vigouroux, Passanha Sobral, Palha, David R. Telles, Passanha e Pinto Barreiros que à excepção do ultimo, proporcionaram aos intervenientes, excelentes condições para exercer a sua arte.
Foram vencedores, os toiros Canas Vigouroux (apresentação) e Passanha (bravura).                                                      
                                                          
                                                          CAVALEIROS
Perante toiros, de enorme porte físico e numa arena, de reduzidas dimensões que obriga os toureiros a uma redobrada concentração.
António Telles, com duas boas actuações justificou a sua presença, "obrigatória", no concurso de ganadarias - esteve em tarde de triunfo. Aqueles dois curtos, no toiro com ferro de seu pai, são de parar o coração.
Moura Caetano, bem no primeiro, mas foi no segundo um Passanha de excelente qualidade, montando o Temperamento que bordou o toureio.
Manzanares, no seu primeiro um Palha a merecer melhor, toureou o quanto baste, reservando-se para o Pinto Barreiros - saiu-lhe o "tiro pela culatra" pois o "escolhido" saiu fatal, sem ponta por onde se pegue - esteve aquém do seu real valor.
                                          
                                           FORCADOS
Como sempre, coube aos Amadores de Alcochete, a desejada e espinhosa tarefa, de enfrentar a solo, os seis toiros do concurso, nesta, que é para o grupo a corrida mor, a sua prestação foi um HINO À ARTE DE BEM PEGAR, foram solistas:
Pedro Viegas - Muito bem a mandar na investida.
Fernando Quintela - Um forcadão em temporada de ouro.
António José Cardoso - Com classe, pisa a arena como se fosse um consagrado.
João Pedro Sousa - Perante um imponente toiro de David R. Telles pôs fim a uma meritória carreira, vamos ter saudades.
Gonçalo Catalão - A sua perseverança, o seu querer, "obriga", o cabo a contar com ele.
Nuno Santana - Fechou a contenda.
Foram seis pegas à primeira, superiormente ajudadas, por todo o grupo.
                  
                                      DESTAQUES
Numa tarde triunfal, em que todos os forcados, estiveram ao seu melhor nível e em que o espírito de grupo, foi o ponto alto da corrida fazer destaques, individuais é tremendamente injusto, para os restantes, mas ...
João Ângelo Rei - A sua habitual entrega foi "compensada" com mais uma grave lesão e foi a chorar, que pediu ao médico, que fizesse "o milagre" de o manter em condições de continuar, a ajudar o seu grupo, não foi possível, mas são estes gestos, que fazem do João um herói para os colegas.
Diogo Van Den Toorn e André Pinto Tavares - A forma como ajudam os toiros, é impressionante, parece que têm íman, com eles os toiros não fogem ao grupo, dizem que são dois monstros da forcadagem, não sei, sei, é que ás vezes parecem seres sobrenaturais.
Nuno Santana - Foi o seu primeiro concurso, como cabo, estava "preso por arames", só o dom milagroso do Dr. Passarinho o mantinha de pé, mas... no último, o "tal" Pinto Barreiros que aparentemente, ia criar problemas e apesar de ter outras soluções, deu o passo em frente e disse:
- Este é para mim.
Olé forcado.

José Luís Figueiredo

     
 
Copyright © 2013 PORTA DOS SUSTOS