segunda-feira, 22 de agosto de 2016

José Maria Bettencourt: “Ser cabo do Aposento da Moita foi um golpe de sorte que a vida me proporcionou”


José Maria Bettencourt estreia-se na próxima quinta-feira, no Campo Pequeno, na “LII Corrida da RTP”, como cabo do Grupo de Forcados Amadores do Aposento da Moita, função que desempenha desde 22 de Maio deste ano, sucedendo a José Pedro Pires da Costa.
Pega toiros desde 2007 e sempre no Aposento da Moita. Considera a sua eleição (por unanimidade) para a chefia do grupo como “um privilégio enorme e um desafio de grande dimensão” que aceitou “com grande alegria e determinação”, chegando mesmo a admitir que “foi um golpe de sorte” que a vida lhe proporcionou.
Considera a corrida de 25 de Agosto como tendo “um significado enorme, para já por duas importantes razões: “É a minha estreia no Campo Pequeno como cabo do grupo, é na data próxima do grave acidente sofrido nessa praça pelo Nuno Mata (30 de Agosto de 2012) que tanto nos marcou…mas é também um significado enorme o facto de partilhar cartel com o Grupo de Santarém, por cujo passado centenário temos o maior respeito e admiração”.
“É claro que não posso dissociar do significado desta corrida o facto de o seu cartel ser de primeiríssima qualidade, personificada não só nos nossos alternantes do grupo de Santarém, como nos cavaleiros em praça, os consagrados Antonio Ribeiro Telles e Luis Rouxinol e o Marcos Bastinhas, um jovem que está a construir, com muito valor, uma bonita carreira e, claro, o trapio dos toiros de Murteira Grave, uma ganadaria de renome mundial…todo isso tornam esta corrida especial”, acrescenta.
Relativamente à competição com o grupo de Santarém, está “ciente da responsabilidade enorme que tal significa e da seriedade que uma competição desta natureza encerra”, pelo que “o Aposento da Moita vai estar no seu nível mais elevado de concentração, motivação e responsabilidade”.


 
Copyright © 2013 PORTA DOS SUSTOS