sexta-feira, 23 de setembro de 2016

CRÓNICA FORA DE TEMPO - POR JOSÉ LUIS FIGUEIREDO


Afazeres profissionais e uma semana de intensos compromissos familiares, não nos permitiram, fazer atempadamente a crónica, da ultima corrida da feira da Moita. Porém como se diz na gíria, mais vale tarde que nunca.

CORRIDA DO FOGAREIRO
A designada corrida do fogareiro, teve a honra de ser a que mais (e alegre) público, levou ás bancadas da Daniel do Nascimento.

CONCURSO DE GANADARIAS
Foram a concurso exemplares de Cunhal Patrício, Paulo Caetano, Prudêncio, Jorge Mendes, Canas de Vigouroux (prémio de apresentação) e José Luís Sousa d' Andrade, justo vencedor do troféu bravura.

CAVALEIROS
Em praça, seis cavaleiros Sónia Matias, Gilberto Filipe, Marcos Bastinhas, António d'Almeida, Luís Rouxinol Jr. e Mara Pimenta que na generalidade agradaram ao conclave. Maior relevância para Marcos Bastinhas, uma excelente prestação, bregando com saber e toureiria, cravou com acerto e emoção, terminou com um par de bandarilhas, com o publico já rendido à sua arte - Grande actuação.
Rouxinol Jr., perante um Canas de Vigouroux manso, complicado e com alguma perigosidade, ministrou uma brega inteligente, levando o toiro para terrenos "menos maus". Na ferragem pisou terrenos perigosos, cravou ferros de altíssima nota e "disse" bem alto como se toureiam os mansos.

FORCADOS
Pegas a cargo dos Amadores do Montijo e Amadores de Alcochete.
Pelos montijenses foram solistas Hélio Lopes, José Pedro Suíssas e João Paulo Damásio excelente a receber , como que a "dizer" que a grave lesão do passado está definitivamente esquecida.
Pelos alcochetanos, António José Cardoso a forma decidida com que salta à arena, a tranquilidade com que caminha, cita e manda na investida são "coisas" que fazem a diferença. Fernando Quintela e Pedro Gil foram os outros caras de serviço.
Luís Alves, o indispensável, primeiro ajuda dos Amadores do Montijo grupo onde se iniciou, em 1998, é há uns anos, a esta parte, um verdadeiro abono de família do seu grupo, na Daniel Nascimento, voltou a agigantar-se, é um forcadão, cujo nome ficará (já está) gravado a ouro no historial dos Amadores do Montijo.

CAMPINOS
Os campinos, são importantíssimos no desenrolar de uma corrida de toiros, a forma rápida e sem protagonismos, como recolhem os toiros, não deixando "esquecer", o desempenho dos toureiros e forcados é fundamental e os irmãos Joaquim e Gabriel Silva são gente que sabe (muito) do oficio e como tal,
são sempre uma mais valia.
Olé campinos.

José Luís Figueiredo
 
Copyright © 2013 PORTA DOS SUSTOS