quarta-feira, 10 de maio de 2017

CRÓNICA DA CORRIDA DE MONTEMOR - POR JOSÉ LUIS FIGUEIREDO


TRIUNFO GANADERO
Foi com alguma surpresa que vimos a corrida terminar sem uma chamada do ganadero à arena. 
Dos seis toiros com a divisa Ernesto Castro que saíram à arena Montemorense apenas o primeiro lidado por Luís Rouxinol não era recomendável e mesmo esse teve algumas atenuantes (desembolou-se foi recolhido e novamente embolado) os restantes uns mais que outros todos proporcionaram boas condições de lide.

CAVALEIROS
Luís Rouxinol - Vítima da irresponsabilidade de alguns , era bem visível que o primeiro toiro se iria desembolar. 
Tentou no seu segundo alcançar o triunfo o que em parte conseguiu mas sem momentos empolgantes a que já nos habituou. 
Filipe Gonçalves - Esteve em plano de triunfador, bem em ambos os toiros mas foi sobretudo no primeiro que "armou o taco" os dois últimos curtos foram de "parar o coração". Grande (enorme) actuação.  
João Salgueiro - Menos rodado que os altenantes demonstrou contudo que está preparado para uma temporada de sucesso.

FORCADOS
Por Montemor foram solistas Manuel Dentinho que após uma primeira tentativa menos conseguida (não mandou na investida) se redimiu à segunda com o grupo a ajudar bem. 
João da Câmara é um forcadão mas no passado sábado esteve mal. Melhores dias virão. António Vacas de Carvalho imponente na primeira tentativa foi derrotado violentamente (de cima para baixo) junto às tábuas, com os terceiras a não ficar bem na fotografia, na segunda aguentou estoicamente fortes derrotes muito bem ajudado por todo o grupo na melhor pega da tarde. 
Pelos Amadores de Évora João Madeira - uma excelente pega com o grupo bem a ajudar chamada justa do primeiro ajuda ao redondel.
António Alfacinha - grande pega, a mandar na investida, a fazer tudo na perfeição. Encerrou a contenda o consagrado João Pedro Oliveira também ele em num bom momento.

José Luís Figueiredo
 
Copyright © 2013 PORTA DOS SUSTOS