quarta-feira, 5 de julho de 2017

CRÓNICA DA CORRIDA DO MONTIJO - POR JOSÉ LUÍS FIGUEIREDO

A monumental do Montijo foi no passado dia 1 palco para a comemoração dos 30 anos de alternativa de Luis Rouxinol. Trinta anos ao longo dos quais Rouxinol venceu várias adversidades, abriu portas que alguns colegas teimavam em fechar e que com a sua persistência e a preciosa ajuda do saudoso Mário Freire as escancarou !

Rouxinol é há vários anos primeira figura do toureiro a cavalo,  e nessa qualidade jamais fechou a porta a jovens toureiros numa demonstração clara de grandiosidade como toureiro e homem, e foi esse grande SENHOR da nossa querida festa que os milhares de aficionados presentes na monumental do Montijo quiseram homenagear.

No decorrer da corrida Rouxinol lidou toiros das ganadarias Ernesto Castro , Antonio Silva, Jorge de Carvalho, Vinhas,  Murteira Grave e Luis Rocha, sendo os dois últimos que melhores condições de lide proporcionaram. Rouxinol veio de menos a mais e foi no quarto da ordem em que dividiu a lide com o seu filho mas sobretudo no quinto e no sexto que "pintou o quadro" levando os seus fãs ao delírio perante a arte, a classe e toureiria do seu, nosso toureiro .

Forcados :
A noite foi de triunfo para os Amadores do Montijo com dois pegões através de Élio Lopes e José Pedro Suissas para além de João Paulo Damásio também ele bem tecnicamente, mais uma vez,  como é habitual o primeira ajuda Luis Alves marcou a diferença. Pela Tertúlia do Montijo foram solistas Marcio Chapa um valoroso forcado mas que esteve em "dia não", Joaquim Consolado numa exelente pega e Luis Carrilho .

José Luis Figueiredo

 
Copyright © 2013 PORTA DOS SUSTOS