sexta-feira, 11 de maio de 2018

CRÓNICA DA CORRIDA DE ONTEM NA CHAMUSCA - POR LARA VEIGA VICENTE


Decorreu assim no dia de ontem na vila da Chamusca a tradicional corrida mista de quinta-feira de ascensão.
O cartel era composto por Luís Rouxinol e Duarte Pinto no que respeita a toureio a cavalo, e por Manuel Dias Gomes na arte de toureiro a pé, as pegas estavam entregues aos dois grupos da terra Amadores da Chamusca e Amadores do Aposento da Chamusca, em praça estavam quatro exemplares da Ganadaria Casa Prudêncio para a lide a cavalo e dois Falé Filipe para a lide a pé.

Nesta crónica vou começar pelo negativo da tarde que tem que ser falado, temos que mostrar o nosso desagrado e revolta pela triste situação.
Vivi na tarde de ontem a maior falta de respeito de todos os tempos para com os artistas intervenientes , as pessoas têm que perceber de uma vez por todas que uma corrida de toiros não é um espectáculo circense para haver a gritaria que se assistiu ontem, muito menos um concerto onde pedem música por tudo e por nada, existe regras, a música é autorizada quando assim se justificar.
Já para não falar que hoje em dia ir a uma corrida de toiros é sinónimo de termos que ter a toda a hora homens à nossa frente a vender pipocas, batatas fritas e cervejas, isto durante lides e pegas, inclusive na tarde de ontem um deles teve que ser chamado à atenção pela polícia que se encontrava na trincheira.
É uma vergonha e uma FALTA DE RESPEITO!!!

Vamos à corrida....

Abriu praça na lide a cavalo Luís Rouxinol, já escrevi isto e volto a repetir agora, Luís Rouxinol teve na tarde de ontem duas lides de boa nota, mas tanto numa como noutra a chama esteve sempre fraca, parece que falta algo...
Ficamos com a sensação que são prestações que sabem a pouco.
Luís Rouxinol tem uma mestria tão sua e o seu desempenho é sempre correcto, mas ultimamente sinto que algo está em falta.
Irei destacar a segunda lide de ontem em particular o ferro de palmo e o par de bandarilhas que colocou.
Maestro queremos aquela magia tão sua que na minha opinião faltou nestas duas últimas corridas no  passado domingo em Vila Franca e ontem na Chamusca.

Duarte Pinto fez assim a sua estreia na temporada de 2018 a meu ver com bastante entrega, vontade e querer.
Trouxe à Chamusca alegria e emoção, arriscou principalmente nas sortes frontais, entendeu os dois toiros que lhe calharam em sorte e deixou na Chamusca uma nota bastante positiva.

Na lide a pé tivemos o grande Manuel Dias Gomes que na sua passagem ontem pela vila ribatejana mostrou mais uma vez que não precisamos encher os nossos cartéis com matadores vindos de fora, chega da galinha da vizinha ser sempre melhor que a nossa.
Senhores empresários temos boa matéria prima então que ela esteja presente nas nossas praças, os aficionados exigem e merecem isso.
Tivemos duas lides completas onde assistimos desde quites de capote, de verónicas e chicuelinas, na muleta e principalmente ao segundo toiro assistimos a bons momentos de toureiro, com entrega e acima de tudo com respeito ao público, havendo vontade de triunfar e sem dúvida triunfou e o público parabenizou o matador pelo trabalho executado.

Nas ramagens começo pelos Amadores da Chamusca, abriu praça Luís Isidro que faria assim a sua última pega e entregava a jaqueta a Nuno Marecos.
Luís Isidro é um homem dos toiros, um homem que sempre deu tudo sem pedir nada em troca.
Pegou à segunda tentativa, a primeira tentativa citou com classe e beleza, quase não precisou de carregar, assim que o toiro o viu arrancou de imediato, recebeu bem e com um extraordinário par de braços mas não conseguiu concretizar devido aos fortes derrotes do oponente.
Na segunda tentativa fez tudo com eficácia e resolveu com mestria.
Disse assim adeus debaixo de uma forte e bonita ovação do público presente, sinto que entregou a jaqueta mas deixou a sua alma com os Amadores da Chamusca.
Mais uma vez obrigada por tudo o que deu à nossa festa e em particular ao forcado amador.

Bernardo Borges foi o segundo forcado a tentar a sua sorte pelos Amadores da Chamusca, um forcado que poucas apresentações precisa, sendo ele um dos forcados mais completos do grupo.
Executou uma pega tecnicamente perfeita onde tudo o que é exigido marcou presença, citou com beleza, interpretou bem o toiro e foi ele a mandar na pega, um toiro que arrancou com pata, Bernardo Borges fechou-se como lapa no oponente, teve uma boa reunião e o grupo ajudou coeso.

Pelos amadores do Aposento da Chamusca foi chamado à sorte para  abrir a tarde do grupo o forcado João Saraiva, tive a possibilidade de dizer isto ao cabo Pedro Reis e repito o João Saraiva é um forcado admirável quer fazer sempre tudo bem, é bastante perfeccionista mas os toiros nem sempre permitem.
Tivemos um citar de elegância, perante um toiro que humilhou e dessa forma “apanha” o forcado pelas canelas, João Saraiva conseguiu se fechar com uma brilhante primeira ajuda do cabo Pedro Reis.

A fechar a tarde do Aposento da Chamusca foi cara o forcado Francisco Andrade um forcado que também já poucas provas precisa dar para  mostrar o bom forcado que é.
Na tarde de ontem pegou à terceira tentativa, na primeira tentativa não recebe correctamente o toiro e não consegue corrigir.
Na segunda tentativa recebe bem o oponente mas na reunião não aguenta o forte derrote que levou.
Na terceira tentativa aí sim concretiza bem ao seu jeito, ainda levando um forte derrote mas nunca se largou.

Nesta pega existem dois nomes para além do nome de Francisco Andrade que é obrigatório mencionar, o primeiro Pedro Maia, esteve enorme como primeira ajuda, com determinação, garra, entrega, fez o que podia e o que não podia.
Frederico Abreu é o segundo nome de destaque terá que ser mencionado como rabejador, rabejou com beleza e saber, saiu do toiro de forma eficaz e foi aplaudido por isso.
Os ajudas são sempre esquecidos mas não pode ser, a pega é realizada por oito dessa forma que sejamos mais justos e mais correctos.

Os dois curros que saíram em praça cumpriram mas não deram facilidades, bons de apresentação, e com características bem próprias e singulares!!

Estavam em disputa dois prémios, prémio João Duque para a melhor lide e prémio Eng. Jorge Duque para a melhor pega.
A melhor lide foi entregue à segunda lide de Luís Rouxinol e a melhor pega foi para Bernardo Borges dos amadores da Chamusca.

Uma tarde de calor que teve meia casa e que marcou mais um ano a feira da ascensão...
Até para o ano ascensão!!!

Saudações taurinas 
Lara Veiga Vicente 
 
Copyright © 2013 PORTA DOS SUSTOS