domingo, 8 de julho de 2018

Democracia e tolerância, esmagam política antitaurina.




80,5% dos deputados dos partidos de Abril chumbaram Projeto de Lei proibicionista
que atacava a diversidade cultural e os direitos constitucionais.


Lisboa, 6 de julho de 2018* – *A PróToiro – Federação Portuguesa de Tauromaquia felicita a esmagadora maioria dos deputados dos partidos de Abril (80,5%) e congratula-se pela decisão de chumbarem um Projeto de Lei proibicionista, cujo objetivo era maniatar a liberdade de escolha de todo um País.



Os valores da democracia, da tolerância e defesa da liberdade imperaram sobre a visão antidemocrática do partido das Proibições, das políticas Anti e Não respeitadoras da diversidade social e cultural.

O debate realizado esta sexta-feira na Assembleia da República demonstra que a ‘casa da democracia’ continua a ser um espaço de liberdade, no qual se valoriza e promove a coesão nacional. 

A aprovação do Projeto de Lei de proibição radical, sublinhou o deputado socialista Hugo Costa, “levaria a conflitos desnecessários e poria portugueses contra portugueses”. O mesmo deputado reforçou o argumento tantas vezes por nós defendido de que as touradas são reconhecidamente
“parte da cultura popular portuguesa” e é “dever do Estado” proteger as manifestações culturais.

Na bancada social-democrata, a posição também foi de defesa da tauromaquia. O deputado Joel Sá reforçou as touradas como “um legado histórico, social e cultural” e usou a argumentação do próprio PAN para desmascarar a tese de que a tauromaquia já não interessa a ninguém. “Então porquê abolir o que está em declínio?”, questionou.

Telmo Correia, do CDS-PP, foi ainda mais longe e referiu que o PAN não tem o direito de querer impor a sua opinião a “populações inteiras”, questionando a legitimidade do PAN "para impor hábitos lisboetas” a todo o País. “No CDS há quem goste e quem não goste de touradas, mas ninguém quer proibi-las”, reforçou.



No PCP, as críticas à iniciativa do PAN fizeram-se ouvir pela voz da deputada Ângela Moreira: “Não admite outras culturas, identidades e tradições, só admite os seus padrões e quer impô-los. Trata-se de uma lei que lei que não respeitaria a diversidade cultural e a universalidade dos direitos”.

Com esta vitória esmagadora na Assembleia da República, a PróToiro compromete-se a dar continuidade ao seu trabalho de defesa e promoção dos valores da cultura e da liberdade, denunciando toda e qualquer ação que vise comprometer a legitimidade e respeito por este setor cultural e económico tão importante para o País.
 
Copyright © 2013 PORTA DOS SUSTOS